quinta-feira, 24 de outubro de 2013

AmadoraCartoon 2013 - Carlos Rico (Exposição dos Recreios da Amadora)

CARLOS RICO

Claudio Torres

O alentejano é a vítima preferencial do anedotário nacional. O alentejano é, geneticamente, o maior criador do anedotário vivencial já que, na planura do quotidiano sempre soube sobreviver com o sorriso do pensamento, às amarguras da opressão dos latifúndios, à secura da planície, à solidão da luta do dia-a-dia. Não é pois de estranhar que entre os principais cartunistas encontremos alentejanos de grande envergadura.

Carlos Rico é um alentejano de quatro costados que, para além do sangue, da carne, do espirito, do empreendedorismo, impõe o alentejanismo como filosofia vivencial e plástica. Natural de Moura (1968), onde tem vivido toda a sua vida, é o responsável cenográfico das atividades municipais, design gráfico, cartazista, decorador… destacando-se o seu papel de criador, organizador e curador do Festival Internacional Moura BD desde 1991, atividade que compartilha, quando tem tempo, com outras participações plásticas. Como ilustrador, bandadesenhista e cartunista encontramos colaborações suas na imprensa como “Diário do Alentejo” (em 1999 com "Beto, o traquinas" e, a partir de 2003, em dupla com outro alentejano, Luís Afonso, a série "RIbanho", assinada sob o pseudónimo de LUCA), depois, n’ “A Planície” (com a série "Fecho... é claro", durante quatro anos); prosseguindo com colaborações no “Jornal do Sporting”, “Além Tejo Económico”, “Record”, “Bola Magazine”, “O Ás”, “Revista da Água”,Jornal de Almada”,A Voz de Paço d’Arcos”, Notícias do Entroncamento”…. Ilustrou vários livros infanto-juvenis com textos de Maria Eugénia Fernandes: “A canção do Pastor”, “Um céu de lata e Nas nuvens também há flores”; “Manolito, o bixarrácu e a Fêra de Agohtú”; “Manolito, o bixarrácu e o presépio encantado”; “Manolito, o bixarrácu e o cahtélu de Noudá”.Publicou os álbuns de BD "A Moura Salúquia", "HumoRico", "Um sorriso no... ar!", “Joaquim Costa Poeta de Moura”. Em 2002 foi homenageado na Sobreda BD com o Troféu “Sobredão” e, em 2006, recebe o Prémio “Mais Ilustração” atribuído pela revista “Mais Alentejo”.

Bandadesenhista, ilustrador e cartunista, a sua paisagem humana e cenográfica tem sido sempre uma homenagem ao seu ambiente natural, o Alentejo. No seu trabalho encontramos o perfume, os sons, as paisagens, dessa terra dourada de sorrisos, de filosofia popular feita paródia, crítica séria ao lado cómico do quotidiano social e político, já que tudo acaba por ser política e o Alentejo é conhecido pelas suas varas.

Carlos Rico é um dos maiores cenógrafos dos humores contemporâneos, vividos no decor alentejano, razão pela qual o 24º FIBDA resolveu homenageá-lo com o Prémio AmadoraCartoon / 2013 pela sua carreira e arte.

O.M.S.

Sem comentários:

Publicar um comentário