sexta-feira, 22 de março de 2019

Livros sobre Humor e caricatura com textos de Osvaldo Macedo de Sousa - CCXXXV - Boa Viagem, Senhor Presidente! De Lisboa até à Guerra - 100 anos da primeira visita de Estado (Ed. Museu da Presidência da Republica) 2017


Livros sobre Humor e caricatura com textos de Osvaldo Macedo de Sousa - CCXXXIV - Cartunes pelo Ramal (Desenhos de Carlos Seco e Zé Oliveira) 2017


Exposição Pintografias de mms (Margarida Macedo de Sousa) na Cooperativa Trevim da Lousã a partir de 23 de Março (Inauguração pelas 15h)


COLÓQUIO José Vilhena: um humor fora de série Dia 23 de março de 2019 Salão Brazil-Coimbra


PROGRAMA
14.30h – PAINEL  I
             Luís Guimarães, In memoriam do José Vilhena
Inês Brasão, «Deixa-te de histórias e sê boa para mim.» As mulheres em José Vilhena
Moderador: António Pedro Pita (CEIS 20)
15.45h – INTERVALO
16.315h – PAINEL  II
             Álvaro Costa de Matos, A revolução no “Humorismo Maldito”: o caso da revista “A Gaiola Aberta”, de José Vilhena (1974-1975)
Osvaldo Macedo de Sousa, Vilhena e a Grotesca Sociedade Portuguesa
Moderador: António Rochette Cordeiro  (CEIS 20)

18.00h – Visita à exposição “CAPAS & CONTRA-CAPAS - desenhos dos livros de José Vilhena publicados antes de 1974”, na Casa Municipal da Cultura (a confirmar)

21.30h – Representação da peça “O Filho da mãe continua...por aí”, adaptação da trilogia do filho da mãe, de José Vilhena, adaptação e encenação de João Paulo Janicas, pela Bonifrates, no seu Teatro-estúdio da Casa Municipal da Cultura Coimbra

Organização: Bonifrates, Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra – CEIS20 e Salão Brazil
Apoio da Câmara Municipal de Coimbra
Contacto para informações: cooperativabonifrates@gmail.com; 916615388

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

"Colecção Boneco Rebelde” de Sérgio Luiz / Guy Manuel numa edição do Museu de Leiria /Câmara Municipal de Leiria



Se a exposição Rebeldes: Sérgio Luiz / Guy Manuel já não esta patente no Museu de Leiria não podemos de deixar de destacar a extraordinária edição "Colecção Boneco Rebelde" realizada para este evento. Todas as pranchas de BD destes dois jovens autores (desaparecidos prematuramente em 1943 acabados de sair da puberdade e que para além de autores bedéfilos são os pioneiros da animação portuguesa) foram recuperadas por José Oliveira, numa edição editorial coordenada por Vânia Carvalho e José Oliveira. São 4 álbuns: “1 - Aventuras do Boneco rebelde”; “2 – O Livro Mágico”; “3 – O Boneco torna a sair do Frasco”; “4 – A Ilha Misteriosa” e um 5 volume como roteiro da exposição, que no caso editorial contextualiza a biografia e obra destes jovens artistas leirienses. A "Colecção Boneco Rebelde" é um extraordinário trabalho e sem duvida um marco na historiografia da BD e ilustração Portuguesa..

É uma edição da Câmara Municipal de Leiria / Museu de Leiria com uma tiragem pequena por isso quem estiver interessado deve contactar rapidamente o Museu de Leiria (museudeleiria@cm-leiria.pt) para os adquirir. 5 volumes numa caixa de design magnifico.
Uma recuperação e homenagem exemplar, que raramente encontramos nas autarquias, principalmente numa época em que a cultura, as artes gráficas tem cada vez menos apoios dos políticos, dos governos locais e centrais. Sei do que falo porque já trabalhei com mais de meia centena de autarquias, com uma média de 5 a 8 autarquias diferentes em cada ano e neste momento trabalho com uma casualmente
.

domingo, 27 de janeiro de 2019

ZÉ MANEL (José Manuel Domingues Alves Mendes) O TALENTO E A SENSUALIDADE por ANTÓNIO GOMES D'ALMEIDA


  Geralmente considerado um dos mais talentosos ilustradores portugueses, a sua arte manifestou-se sob várias facetas, desde as Capas e as Ilustrações de Livros à Banda Desenhada, aos Cartazes, ao Cartoon, à Caricatura e, até, ao Vitral. E será, provavelmente, essa dispersão por tantos meios de expressão da sua Arte que fez com que demorasse algum tempo, antes de ser tão conhecido do grande público, e de ter a projecção mediática que o seu enorme talento merece. Quando apareceu, mostrando a sua arte como ilustrador, o que mais atraía era a forma espectacular como desenhava belas garotas, cheias de charme e de sensualidade. E essa faceta nunca deixou de ser uma das imagens de marca deste excelentíssimo Desenhador.
            Peço licença para apresentá-lo na primeira pessoa do singular – porque o acompanhei, praticamente, desde o seu início, e porque verdadeiramente singular era já o talento do Zé Manel, quando apareceu, tinha então uns 17 anos, na redacção do semanário “Parada da Paródia”, que eu então dirigia (estávamos em 1961), levando consigo alguns desenhos, entre os quais uma ilustração que vinha mesmo a calhar para acompanhar o texto de um disco, acabado então de publicar, de uns apelidados “Jograis de Lisboa”. A ilustração e o texto do disco ajustavam-se perfeitamente.  Publicou-se esta primeira ilustração – e publicaram-se depois, nos números seguintes, muitos -- mesmo muitos! -- mais cartoons, ilustrações, bonecos diversos (sobretudo, “bonecas”…) que eram testemunhos muito expressivos de um talento fora do comum. Quisemos saber quem era aquele jovem talentoso. E assim fomos conhecendo mais aspectos da vida deste José Manuel Domingues Alves Mendes, que assinava Zé Manel, ou, mais simplesmente, ZM. Que tinha nascido em Lisboa, em Janeiro de 1944. Que fizera o curso de desenhador-litógrafo na mítica “António Arroio”. Que era filho de outro Artista, já desaparecido, que assinava “Meco” e trabalhara em várias revistas e jornais. Tinha visto a sua fotografia publicada no “Pim-Pam-Pum”, quando tinha 5 anos de idade. O “Século Ilustrado” mostrara alguns dos seus primeiros desenhos, aos seis anos, acompanhados de fotografia e reportagem biográfica. Em 1959, tinha publicado as primeiras anedotas em “Os Ridículos. Soubemos ainda que vivia, nesse tempo, com a mãe, na Rua Augusto Gil (onde continuou a viver, depois com a mulher e um dos seus dois filhos, pois a mãe já morreu há muitos anos, depois de ter perdido a vista na fase final da sua vida). Que era por causa de uns problemas visuais importantes -- coisa de família -- que ele usava óculos com lentes muito grossas (e continuou a usar, pois os problemas visuais seriam crónicos e hereditários)…
            E (pormenor pitoresco) que tinha uma verdadeira fobia, um quase terror, perante tudo o que se refere a… impostos!... Nada de ouvir falar de Finanças, declarações de rendimentos, taxas, IVA, IRS, sem ficar completamente transtornado!... Era mais forte do que ele. Por isso, quando combinava a verba que havia de receber por qualquer trabalho, a primeira coisa que fazia era puxar mentalmente da calculadora e avaliar quanto é que lhe ia ser descontado em impostos!... Sempre foi assim, desde muito moço – e assim continuou a ser, por mais que os amigos argumentassem, tranquilizando-o e dizendo-lhe que não valia a pena andar angustiado com tal assunto… Era irremediável: sofria mais com esse aspecto do seu trabalho do que com o trabalho propriamente dito, por mais difícil e complexo que este fosse…
Mas, pondo de lado esta espécie de mania e estes episódios, meio pitorescos, que o traumatizavam, o que é certo é que o seu trabalho é excelente – e mesmo, frequentemente, genial! Embora a sua popularidade se tenha firmado através, sobretudo, dos cartoons e das ilustrações ligeiras, de um Humor com certo cunho erótico, as ilustrações para livros (particularmente Livros Escolares) são, geralmente, de altíssima qualidade e podem ser comparadas com o que há de melhor, a nível mundial, nesse campo. Podemos, assim, destacar dois aspectos principais da sua Arte: aquele em que dá largas à imaginação e à voluptuosidade que transmite aos seus desenhos, sobretudo às figuras femininas – e a capacidade extraordinária para ilustrar obras tão importantes como uma “Seara de Vento”, de Manuel da Fonseca, ou “Os Maias”, de Eça de Queiroz, com estilos diferentes, mas a mesma Arte verdadeiramente genial.      
            A isto, há a juntar a arte do Vitral, que começou a praticar, muito novo, no ateliê de um tio, mestre dessa modalidade artística, e com o qual executou trabalhos verdadeiramente notáveis, para igrejas e para residências particulares.
            O Zé Manel, no seu período de vida militar, trabalhou muito para o “Jornal do Exército”, com páginas que – como se dizia então – serviam para elevar o moral das tropas destacadas para combater nas Colónias de África... E trabalhou depois com o autor deste texto, em, praticamente, todos os trabalhos gráficos que este fez, depois da “Parada da Paródia”. Assim, ilustrou uma apreciadíssima página de Humor, durante cerca de 20 anos (!), no “Magazine Regisconta”. Fez muitas capas e muitos bonecos para a “Bomba H” (1963 a 1978), para “A Chucha” (1975) e para “O Cágado” (1978).
            Mostrou amplamente a sua veia humorística na revista “Rádio & Televisão e em “O Emigrante. Ilustrou os livros “Manual da Má-Língua” (publicado antes do 25 de Abril, e devidamente apreendido pela Censura), e “Os Salazarentos”, que saiu em 1975, além dos 4 álbuns das “Histórias do Renato, um Menino muito Chato”.
            O livro “Como era antes de haver” saiu em 2008, foi adoptado pelo Plano Nacional de Leitura, e, no mesmo ano, ilustrou “Os Maias – Uma Análise ilustrada” e “História e Histórias de Santiago do Cacém” (que teria nova edição, com novas ilustrações, cinco anos depois). Finalmente, em 2013, as suas ilustrações para o livro “Manuel da Fonseca e a Sua Gente” foram muito elogiadas. Como se vê, um volume de trabalho notável, aqui apenas resumido, e todo ele com a habitual qualidade que se tornou sua imagem de marca.
            Não pode, todavia, deixar de destacar-se a verdadeira orgia gráfica que deixou espalhada pela obra “Macau a Tinta da China”, um livro verdadeiramente impressionante, com textos de Dinis de Abreu, encomendado pelo Governo de Macau, à época da transferência daquele território para a China. É um dos álbuns mais geniais na história da Ilustração Gráfica Portuguesa
            Na sua longa vida profissional, o Zé Manel colaborou numa imensa lista de jornais, revistas e outros tipos de publicações – como desenhador de Histórias em Quadradinhos, ou ilustrador de contos infantis – e numa enorme série de livros didáticos. Na verdade, a lista das suas realizações no campo gráfico é impressionante. Trabalhou longamente no “Diário de Notícias”, no “País” (aqui deixou uma notável série de 36 caricaturas de políticos, absolutamente extraordinárias), além do “Fungágá da Bicharada”, “O Brincalhão”, “Pisca-Pisca”, “Pão com Manteiga”, e muitíssimas outras publicações.,
Esteve presente em todos os Festivais Internacionais de Banda Desenhada da Amadora, tendo aí sido distinguido com o “Prémio de Honra”. Uma bela exposição dos seus trabalhos, sob o tema “Eros uma vez…o Humorista Zé Manel” deu origem a um catálogo (feito por Osvaldo Macedo de Sousa para o MouraBD) que é um repositório do aspecto mais sensual da sua obra.
Mas também outras publicações (cita-se apenas, como exemplo, “In Politiquices”, com cartoons e ilustrações sobre a Política nacional) mostram a versatilidade do seu talento.
            Está representado em inúmeras colecções particulares e também, por exemplo, no Museu Sammlung Karikaturen & Cartoon, de Basel, na Suíça.
Alguns dos seus projectos interessantes ficaram por realizar, muitas vezes por falta de coragem das Editoras – mas é curioso verificar como, nestes casos, o Zé Manel, ao saber da não-concretização de um projecto, tinha uma reacção típica: - Ainda bem, é menos um imposto que teria de pagar no ano que vem



sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

“Prémio Reconhecimento (no âmbito do Humor)” outorgado a Osvaldo Macedo de Sousa pelo Jornal / Cooperativa TREVIM da Lousã



Quem diz que não necessita de reconhecimento pelo seu trabalho mente. Todos nós necessitamos de ser reconhecidos para nos manter motivados e para sentir que todo o nosso trabalho valeu a pena. Acabei de receber o troféu “Prémio Reconhecimento” no âmbito do Humor, o qual foi outorgado pelo Jornal / Cooperativa “Trevim” da Lousã, no âmbito das comemorações dos seus 50 anos.
Sim a Lousã é o concelho que mais tempo tenho colaborado. Desde 1988 até aos dias de hoje. Nessa data iniciei a parceria de levar todos os anos a exposição do Salão Nacional Humor de Imprensa (que esteve em Porto de Mós e depois passou para Oeiras até 2006). Depois coordenei exposições específicas para a Lousã, colaborei em Festas da Caricatura, textos para diversos livros, escrito artigos para o jornal, fui cocoordenador do Supl. Humorístico “Bronkit”.
Este é um Prémio institucional privado, não um reconhecimento institucional público pois nunca uma autarquia achou importante reconhecer o meu trabalho. Se trabalho no Concelho da Lousã há 30 anos, trabalhei para a Câmara Municipal de Vila Real durante 34 anos, para a Câmara da Amadora durante 20 anos, para a Câmara Municipal de Oeiras durante 15 anos, para a Câmara Municipal de Moura e de Penela durante 10 anos e para muitas outras autarquias. No total as exposições que tenho levado ás autarquias de todo o país já ultrapassam as 3 centenas de exposições. Tenho textos escritos em mais de duas centenas de livros, muitos deles com biografias inéditas, recompilações temáticas de âmbito humorístico, para além de múltiplos concursos onde tenho outorgado centenas de prémios aos artistas nacionais e estrangeiros.





Infelizmente não há reconhecimento politico e isso nota-se na falta de trabalho, já que tenho cada vez menos autarquias a quererem as minhas exposições de humor. Há cada vez menos autarquias (políticos) a gostarem do humor. Têm medo de ensinar a irreverencia como forma de educação e construção de um futuro melhor.




O meu trabalho tem sido reconhecido? Sim, pelo carinho dos artistas (em 2006 um grupo de artistas nacionais deu-me um “Óscar da Caricatura” como homenagem pelos 25 anos de produção cultural), pelos e.mails que recebo de artistas dos cinco continentes. Para além do “Prémio Reconhecimento” outorgado agora pelo Trevim, em 1998 o Festival de BD de Moura outorgou-me o Prémio “Balanito Especial” e em 1999 a cooperativa GICAV de Viseu outorgou-me o “Prémio Especial Anim’Arte 99”.
Obrigado Trevim, obrigado a todos os artistas que tem confiança no meu trabalho e me têm apoiado nas minhas iniciativas.

sábado, 12 de janeiro de 2019

24th Gabrovo Biennial of Humour and Satire in Art - Bulgária 2019




CALL FOR ENTRY
Dear artists,
The organizers of the 24th Gabrovo Biennial of Humour and Satire in Art invite you to contribute your edgy takes on the concept of the public sphere. The exhibition will present contemporary art and cartoons addressing the following topics:
  • public space
  • public art
  • public debate
  • public broadcasting
  • public interest
  • public threat/security
  • and other whatchamacallis with public dimension.
47 years of poking fun at issues of utmost social significance give us the confidence that it is time to call on humour in order to deconstruct and redefine whatever is left of the concept of publicness.
The twenty-fourth edition of the Biennial will open on May 17th, 2019. The works selected by the jury will be on display at the Museum of Humour and Satire from May 18th until September 30th, 2019. The Biennial will feature a competition and a curated exhibition. The competition will be held in two sections – cartoon and contemporary art.
The full conditions of entry and the entry-form are published on the Biennial website www.biennial.humorhouse.bg
In order to apply, artists should fill in the online form with their proposals until March 8th, at midnight, Bulgarian time (GTM+2). The selection of the works will be done by an international panel of jurors. The selected artists must send their original works within the indicated deadline.
The organizers of the Biennial kindly request you to read the conditions of entry for the 24th International Biennial of Humour and Satire in Art carefully and wish you much creative inspiration.  In case you have further questions, you can contact us at biennial@humorhouse.bg
Sincerely,
Margarita Dorovska
Director