sábado, 12 de janeiro de 2019

24th Gabrovo Biennial of Humour and Satire in Art - Bulgária 2019




CALL FOR ENTRY
Dear artists,
The organizers of the 24th Gabrovo Biennial of Humour and Satire in Art invite you to contribute your edgy takes on the concept of the public sphere. The exhibition will present contemporary art and cartoons addressing the following topics:
  • public space
  • public art
  • public debate
  • public broadcasting
  • public interest
  • public threat/security
  • and other whatchamacallis with public dimension.
47 years of poking fun at issues of utmost social significance give us the confidence that it is time to call on humour in order to deconstruct and redefine whatever is left of the concept of publicness.
The twenty-fourth edition of the Biennial will open on May 17th, 2019. The works selected by the jury will be on display at the Museum of Humour and Satire from May 18th until September 30th, 2019. The Biennial will feature a competition and a curated exhibition. The competition will be held in two sections – cartoon and contemporary art.
The full conditions of entry and the entry-form are published on the Biennial website www.biennial.humorhouse.bg
In order to apply, artists should fill in the online form with their proposals until March 8th, at midnight, Bulgarian time (GTM+2). The selection of the works will be done by an international panel of jurors. The selected artists must send their original works within the indicated deadline.
The organizers of the Biennial kindly request you to read the conditions of entry for the 24th International Biennial of Humour and Satire in Art carefully and wish you much creative inspiration.  In case you have further questions, you can contact us at biennial@humorhouse.bg
Sincerely,
Margarita Dorovska
Director

quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

CAMILO BARATA FALECEU dia 2 de janeiro de 2019, no Hospital de Leiria.



Camilo Fialho Barata deixou-nos aos 64 anos.

Pedagogo, homem da cultura, investigador, pensador, escritor, coleccionador, produtor, desenhador, caricaturista, neto e filho de tipógrafo era um dos filhos dilectos de Leiria.

Faleceu hoje, dia 2 de Janeiro, no Hospital de Santo André, em Leiria, onde estava internado, ao final da manhã.
Ao longo de toda a sua vida, Camilo Barata abraçou a vocação da pedagogia e fez da conversa a sua principal ferramenta. Foi professor de Ciências e Matemática e director do Agrupamento de Escolas dos Marrazes (Leiria) e cada sílaba saída da sua boca era sempre uma desculpa para encetar uma nova narrativa sobre as gentes de valor das terras do Lis.
Nasceu em 1954 e costumava dizer que era de Leiria, sendo que, só não nasceu na cidade, por mero acidente. “Nasci na clínica da fábrica da Maceira-Liz, às mãos do doutor Luís Schreider Bandeira. Era um médico importante e a minha geração teve muitos iguais nascidos na Maceira, onde ele era o director da Casa do Pessoal da empresa”, contou ao JORNAL DE LEIRIA em Março de 2014. 
Neto e filho de tipógrafo, as letras, tipos, prensas e tintas faziam parte do seu ADN familiar, desde que António Mendes Barata, o avô, foi escovar vestidos, na tipografia do mestre Trindade, de Leiria. 
“O historiador da imprensa, Américo Cortez Pinto escreveu que o meu pai era um dos cinco melhores compositores tipográficos portugueses vivos”, conta. 
A Tipografia Mendes Barata abriu portas em 1917, na praça Rodrigues Lobo e ali se manteve até meados dos anos 90, quando se mudou para Marrazes, acabando por sucumbir à voracidade dos novos modelos de negócio.
Camilo Barata era tambe, caricaturista tendo estado presente em várias Festas da Caricatura organizadas por Zé Oliveira em Leiria

Foto de Zé Oliveira (Esquerda) autografando um livro para Camilo Barata (à direita)
Caricaturas desenhadas por Camilo em 1992 de Zé Oliveira e Osvaldo Macedo de Sousa





terça-feira, 13 de novembro de 2018

Na proxima sexta-feira dia 16 de Novembro 2018 a partir das 14 Colóquio Grande Guerra e Participação Portuguesa - Repercussões no Arquivo Municipal Sophia Mello Breyner de Gaia

Com a participação de Jorge Fernandes Alves, Miguel Brandão, Luis Alberto Marques Alves, J.A. Gonçalves Guimarães, Osvaldo Macedo de Sousa, Teresa Cirne e Sónia Ferreira. Eu falarei  sobre "A Grande Guerra no estilete dos caricaturistas".

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Puntadas sen fío - Franco sobrevoa a Almudena Por Siro



As máis das achegas novedosas que o politólogo Maquiavelo ofreceu aos Príncipes do Renacemento, son sabenzas que <veñen de serie> nos políticos actuais. Ningún ignora que a política non ten relación coa moral; que nunca faltan razóns para romper a promesa feita; que non paga a pena gañar pola forza o que se pode gañar pola mentira; que non é preciso ser virtuoso, pero é imprescindible semellalo; e tantas outras que, xuntas todas, se resumen na máxima <a fin xustifica os medios>, que Maquiavelo non escribiu, pero recolle fielmente a doutrina exposta no libro O príncipe, que dedicou a Lourenzo de Médicis no século XVI.
Pedro Sánchez sabe todo isto de pe a pa e coma un habelencioso prestidixitador sacou , de bóbilis, bóbilis, unha presidencia da chisteira. Porén, sospeito que o presidente non leu a Maquiavelo. Se o fixese, sabería que a virtú do político, da que tanto fala o florentino, é un conxunto de cualidades, nas que <prudencia e previsión> son especialmente importantes. Ante calquera conflito, o político de Maquiavelo infórmase, deseña a estratexia e actúa. Non dá xamais puntada sen fío. No conflito de Franco e o Val dos Caídos, o presidente entrou a saco e actuou sen información e sen estratexia. Nin sequera sabía que os Franco teñen mausoleo propio na Almudena e, ao descubrilo, ante a perspectiva de que o Invicto vaia ao centro de Madrid e as peregrinaxes de nostálxicos lle colapsen o tráfico a Carmena, quixo que llo resolvesen o bispo e o Vaticano. Alguén deberíalle advertir: -Tente Sánchez, que coa Igrexa topamos. Ninguén o fixo e as xestións foron un fracaso.
Aínda que o cardeal Reginald Pole, contemporáneo de Maquiavelo, afirmara que O príncipe fora escrito coa man de Satanás, certas actuacións das autoridades eclesiásticas son perfectamente maquiavélicas, e nos enterramentos en sagrado temos un claro exemplo. O Código de Dereito Canónico promulgado pola Autoridade do papa Xoán Paulo II, en 1983, di ao respecto: <Non se deben enterrar cadáveres nas igrexas, a non ser o do Romano Pontífice ou, en igrexas propias, os de Cardeais e Bispos diocesanos, mesmo eméritos>. Faltou unha nota para advertir que habería manga ancha porque templos de toda España acollen a mortos de primeira, selectos e de calidade suprema. En xuño de 2001 o suplemento Crónica do xornal El Mundo informaba de que, ademais das familias con privilexio adquirido no pasado, a arquidiócese de Madrid optara por crear, a cambio de diñeiro, unha nova aristocracia funeraria de familias con grandes fortunas. As doazóns –nestas transaccións as palabras prezo, venda, pago, non existen- ían das 400.000 pts. por un columbario na igrexa de San Martín, aos 20 millóns por unha tumba na Almudena. Por algo Maquiavelo eloxiara a avaricia e a cutrería dos príncipes.
E o maquiavelismo da familia ao sacar o Caudillo do Val para levalo á Almudena? Se lles sae ben, a xogada será perfecta, a non ser por un detalle: o día da resurrección, na vez de se atopar coa dona –triste e soa nunha cripta do Pardo-, Franco vaise dar de fociños co xenro, o marqués de Villaverde; e nin Maquiavelo, que gabou <o bo uso da crueldade>,  xustificaría tal atrocidade.      

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Awarded works at the 6th Biennial of Humor Luiz d'Oliveira Guimarães – Espinhal / Penela 2018 Portugal



MINUTES OF THE MEEETING OF THE JURY

On July 8, 2018, by eleven hours met at Biblioteca Municipal Dr. António Arnaut – Penela, the jury of the VI Biennale of Humour Luíz d’Oliveira Guimarães. The jury was composed by Rui Seoane (Council Vice-President) / Rafael Baptista (Councillor) / Mário Duarte (the Technical Superior of Culture)
Luís Oliveira (President  of the Junta de Freguesia do Espinhal), António Alves (representative of Oliveira Guimarães Fundation), Renato Barroso (family representative), MMS (Margarida Macedo de Sousa (Photograph),  Carlos Sêco (Cartoonist honored in V BHLOG 2018), Osvaldo Macedo de Sousa (Artistic Director of the Biennale).
A total of 1160 works (100 caricatures for the sub-theme Leonor Oliveira Guimarães and 1060 for the Cycle of Life theme) were received from 450 artists from 78 countries.
The meeting began by analyzing the cartoons related to Leonor Oliveira Guimarães. The family and the Artistic Director had already performed a pre-selection of the thirty works that came closest in resemblance to the "victim." Of these 30 finalists the jury decided to grant:

1st Caricature Prize of VI BHLOG - 2018 to the work of Walter Toscano (Peru)

Special Caricature Prize of the VI BHLOG 2018 to the work of Henrique Monteiro (Portugal)

Special Caricature Prize of the VI BHLOG 2018 to the work of Mohamed Ajeg (Morocco)

Regarding the Cycle of Life theme, after eliminating works that did not comply with the regulation (theme and monochrome), 700 jury papers were presented to the jury, which were exhaustively analyzed and after several rounds, the jury decided to award the Prizes provided for in the Biennial following works:
1st Prize of the VI BHLOG - 2018 - Horia Crisan & Bogdan Petry (Romania)

# 2nd Prize of the VI BHLOG - 2018 - Agim Sulaj (Albania)

# 3rd Prize of BHLOG VI 2018 Prize - Safaa Odah (Palestine)

# Special Prize António Oliveira Guimarães VI BHLOG - 2018 - Sepideh Seifizadeh (Iran)

# Special Prize Municipality of Penela VI BHLOG - 2018 - Reynerio Tamayo (Cuba)

# Special Prize of the Junta de Freguesia do Espinhal  VI BHLOG - 2018 - Oleh Smal (Ukraine)

# Special Prize Oliveira Guimarães  Foundation BHLOG - 2018 - José Bandeira (Portugal)

# Special Prize Humorgrafe VI BHLOG - 2018 - Ali Miraee (Iran)

Nothing more to be discussed, the meeting was closed at twenty-thirty minutes, and adjourned for the drawing up of these minutes, which after read and approved were signed by all the members of the jury.

terça-feira, 15 de maio de 2018

“Conversas com…A caricatura em Portugal” - 18 de maio - 21h00 - Museu Municipal de Santiago do Cacém iniciativa paralela à Exposição “Caricaturas de Delfino” (António dos Reis Pereira)


No dia 18 de maio, convidamo-los para participarem na iniciativa “Conversa com…A Caricatura em Portugal”, com o historiador Dr. Osvaldo Macedo de Sousa e o caricaturista Ricardo Galvão (do jornal “A Bola”) que se realiza, às 21h00, no Museu Municipal de Santiago do Cacém, no  âmbito das Comemorações do Dia Internacional dos Museus.

A partir das 22h00 venha ao Museu fazer a sua caricatura!


domingo, 18 de março de 2018

VI BIENAL de HUMOR “LUÍS D’OLIVEIRA GUIMARÃES” – ESPINHAL/PENELA 2018 Portugal




Uma Organização: Câmara Municipal de Penela / Junta de Freguesia do Espinhal
Com o apoio da Fundação Luiz d’Oliveira Guimarães
Uma Produção: Humorgrafe - Director Artístico: Osvaldo Macedo de Sousa (humorgrafe.oms@gmail.com)

A Bienal onde o humor não necessita de cores, apenas um sorriso, inteligência filosófica e uma cor simples e directa – o negro e seus matizes.

1 - Tema:
      a)“O Ciclo da Vida” - convidamos os artistas de todo o mundo a filosofarem sobre a existência, como cada cultura enfrenta a vida e a morte, que simbologias rituais fazem para superar o terror à incógnita do além. A morte é apenas uma meditação do que é a vida, ou uma anedota que nos amedronta o quotidiano da eternidade? Não desejamos viver aqui a morte, mas homenagear a vida com humor e optimismo em momentos, como o de 2018 em que é evocada o centenário do Armistício da Grande Guerra de 1914/18, a mãe de todas as outras guerras que se tem desenvolvido ao longo do séc. XX e que hoje através do dito terrorismo de fundamentalistas, continua presente na sociedade contemporânea. Como louvar a perenidade do espírito, em vez de cultivarmos uma sociedade que financia a morte da humanidade e do planeta?
      b) Caricaturas de Leonor d’Oliveira Guimarães (nora de L.O.G) que foi a impulsionadora desta Bienal






2 - Aberto à participação de todos os artistas gráficos com humor, profissionais ou amadores.
3 – Data Limite: 10 de Junho de 2018. Devem ser enviados para humorgrafe.oms@gmail.com, humorgrafe@hotmail.com ou humorgrafe_oms@yahoo.com (No caso de não receberem confirmação de recepção, reenviar de novo SFF).
4 - Cada artista pode enviar, via e-mail em formato digital (300 dpis formato A4) até 4 trabalhos monocromáticos (uma só cor com todos os seus matizes – não são aceites desenhos a 2, 3 ou 4 cores –aberto a todas as técnicas e estilos como caricatura, cartoon, desenho de humor, tira, prancha de bd (história num prancha única)... devendo estes vir acompanhados com informação do nome, data de nascimento, morada e e-mail.
5 - Os trabalhos serão julgados por um júri constituído por: representantes da Câmara Municipal de Penela; representante da Junta de Freguesia do Espinhal; representante da família Oliveira Guimarães; pelo Director Artístico da Bienal; um representante dos patrocinadores, um representante de comunicação social local e um a dois artistas convidados, sendo outorgados os seguintes Prémios:
1º Prémio da VI BHLOG- 2018 (€ 1.800)
2º Prémio da VI BHLOG- 2018 (€ 1.300)
3º Prémio da VI BHLOG- 2018 (€ 800)
Prémio Caricatura da VI BHLOG- 2018 (€1.000)
O Júri, se assim o entender, poderá conceder “Prémios Especiais” António Oliveira Guimarães, Leonor Oliveira Guimarães, Município de Penela, Junta de Freguesia do Espinhal e Humorgrafe), a título honorífico, com direito a troféu.
6 - O Júri outorga-se o direito de fazer uma selecção dos melhores trabalhos para expôr no espaço disponível e edição de catálogo (o qual será enviado a todos os artistas com obra reproduzida).
7 – A Organização informará todos os artistas por e.mail se foram selecionados para a exposição e catálogo, e quais os artistas premiados. Os trabalhos premiados com remuneração, ficam automaticamente adquiridos pela Organização. Os originais dos trabalhos premiados deverão ser entregues à Organização (o original em trabalhos feitos a computador é um print de alta qualidade em A4, assinado à mão e numerado 1/1), porque sem essa entrega, o Prémio monetário não será desbloqueado.
8 - Os direitos de reprodução são propriedade da Organização, logo que seja para promoção desta organização, e discutidos pontualmente com os autores, no caso de outras utilizações.
9 - Para outras informações contactar o Director Artístico: Osvaldo Macedo de Sousa (humorgrafe.oms@gmail.com) ou V Bienal de Humor Luís d’Oliveira Guimarães, Sector de Cultura, Câmara Municipal de Penela, Praça do Município, 3230-253 Penela - Portugal.
10 - A VI Bienal de Humor Luís d’ Oliveira Guimarães – Espinhal/Penela 2018, Inaugura dia 1 de Setembro no Centro Cultural do Espinhal, podendo contudo ser também exposta em outros locais a designar.




Nomes / Name:  …… …………… ………… ………… … … … …… …… ……… ……… …………………..
País / Country: ………………………………………..
E.mail: ……………………………………………………………………………………
Morada / Adress: … ……… …… …… ……… ………… ……… … … …… …… ……………………..
            ……………………………………………………………………………………………………….
            ……………………………………………………………………………………………………….

Obras / Works :
            1) ……………………………………………………………………………
            2) ……………………………………………………………………………
            3) ……………………………………………………………………………
            4) ……………………………………………………………………………

Aceito as condições do Regulamento / I accept the conditions of Rules







Assinatura / Signature


VI Bienal de Humor Luiz d’Oliveira Guimarães – Espinhal / Penela 2018
O Ciclo da Vida - HUMOR É VIDA E TRANSFORMAÇÃO

Por: Osvaldo Macedo de Sousa

O sonho de qualquer humorista, ou cómico, é que alguém morra de riso com as suas intervenções. Na realidade não há melhor morte que a que se vive com o sorriso na alma, com a gargalhada no coração, desintoxicando o azedume, o avinagrar da idade e do quotidiano, contudo só o termo “morte” assusta, é um tema tabu.
O que é para cada um de nós a “morte”? Se não falarmos dela nunca a encaramos e nunca sorrimos com ela, frontalmente, irreverentemente, despreocupadamente, como se deve viver com todo o nosso quotidiano. Acreditas na Vida depois do Parto?
Um simples alento separa os conceitos da morte e da vida, quando a incógnita os une numa linha de transmutação. A filosofia milenar há muito nos ensina que nada morre tudo se transforma, em diferentes fôlegos de energia viva e revigorante. O que separa um estado do outro é apenas o medo. No primeiro, esse sentimento claustrofóbico deixa de existir e no segundo nos condiciona.
Não há melhor forma de enfrentar os medos, as preocupações e opressões que com o humor, não só porque este lhes dá uma nova luz, como nos obriga a enfrentar a realidade sem as sombras dos costumes e as burkas das educações castrantes. A sorrir, a rir, a pensar com filosofia humorística não há medos mas irreverência e segurança, não há opressão mas ousadia e liberdade.
Há vida? Há morte? O que é que nos ultrapassa no quotidiano? A preocupação do futuro, a saudade do passado e a não vivência do presente, dominado por aqueles sentimentos castradores. Porquê tanto medo da dita morte carnal, se tudo não passa de uma ilusão grotesca, macabra imposta por educações apocalípticas e pessimistas?
Comicamente os que se dizem Ateus, graças a Deus, acabam por ser os mais espiritualistas porque ACREDITAM que após a passagem terrestre integram o NADA, do EU, passando ao NÃO EU, ou seja, são utopistas que não se querem sujeitar às passagens de crescimento, integrando de imediato o NADA ABSOLUTO, o absoluto divino, o NÃO SER para SER na energia primordial.
É no sorriso que encontramos a vida, a ressurreição do humor como verdadeira essência do quotidiano em que a degradação, a perenidade e a morte se transformam em energia revigorante do dia-a-dia, sem medos, sem temores porque não há maior sensação de liberdade que uma boa gargalhada, que enfrentar o espelho e aceitarmo-nos como somos, nessa energia eterna no optimismo.
A morte acaba por ser a caricatura da vida, aquele reflexo grotesco que nos mostra como somos todos iguais, porque nesse estado não há ricos nem pobres, não há raças nem religiões, vivendo-se antes na igualdade e simplicidade humorística.
Todos os dias nos desaparecem da vista, do tacto, seres queridos, como aconteceu recentemente com uma das grandes almas desta Bienal, Leonor de Oliveira Guimarães contudo, ela mantém-se presente numa outra dimensão, como tem acontecido com António Oliveira Guimarães que também foi um dos promotores, sem ter conseguido, fisicamente, ver a concretização da Bienal, não esquecendo referir a presença do mentor de todas estas irreverências, o nosso Luíz.
É esse universo de dimensões, de pensamentos, de conceitos, de vivências paralelas que queremos aqui revalidar ao usar este tema como mote da VI Bienal Internacional de Humor. Enquanto acreditarmos nos valores, no espírito que impulsiona a criação, ele não morre, subsiste não apenas na esperança mas na concretização de sorriso, de cumplicidades. A dita morte não nos assusta, apenas nos incentiva a rirmo-nos com o presente e a usar a filosofia do espírito como alento de vida, de ressurreição no quotidiano.
Como é que cada artista, cada cultura, cada povo ri com a morte e com a vida? Só os artistas nos podem responder e é isso que os desafiamos – falem-nos do vosso ponto de vista e da vossa cultura da morte como triunfo da vida, da vida como algo mais importante que o conceito da morte. O importante não é saber se há vida pós-mortem mas, se há vida apesar da obsessão com a morte.
Não há desrespeito rir com a “morte”, antes uma homenagem à vida, razão pela qual no imediato após o desaparecimento físico, nos recordamos mais das boas memórias que das más, talvez o único momento em que a tragédia é ultrapassada pelo optimismo da memória.
Uns dizem que é humor negro, mas como pode ser negro se todos os que tiveram experiências pós-mortem falam da luz? Choramos pelos que partem ou pelos que ficam? Não será mais negra a comicidade sobre o nosso quotidiano, razão pela qual se faz humor para nos dar luz e força para o superar? É mais fácil viver na tragédia porque dá mais trabalho estar constantemente alegre, optimista e filosofar com espírito.
Luíz d’Oliveira Guimarães foi um irónico da vida que preferiu ignorar a morte até aos 98 anos, nunca escrevendo sobre este tema. Por pavor ou por sabedoria? Na realidade, ninguém lhe escapa porque todos a temos de enfrentar na linha da transformação morfológica da matéria desde que nascemos e se uns a ignoram, outros cultivam-na, como é o caso da cultura mexicana. Todos nos transformamos ao longo das vidas e se assim tem de ser, pelo menos que seja com humor.
A morte é apenas uma meditação do que é a vida, ou uma anedota que nos amedronta o quotidiano da eternidade? Não desejamos viver aqui a morte, mas homenagear a vida com humor e optimismo em momentos, como o de 2018 em que é evocado o centenário do Armistício da Grande Guerra de 1914/18, a mãe de todas as outras guerras que se tem desenvolvido ao longo do séc. XX e que hoje através do dito terrorismo de fundamentalistas, continua presente na sociedade contemporânea. Dessa forma, meditar como o egocentrismo e a megalomania de uns poucos, pode trazer a morte a tantos milhões. Como a ganância economicista (que existe e incentiva qualquer guerra) de grupelhos pode ser a miséria de muitos mais. Qualquer motivação ideológica que esteja na base da morte ou de uma guerra não passa de uma irracionalidade humana, de um acto doentio de uma sociedade perdida entre o suicídio e a destruição. Uma primeira guerra que se prolongou nos tempos com as guerras subsequentes e se mantém um pouco por todo o mundo, de forma declarada ou feita terrorismo. Devemos ter medo da morte ou enfrentá-la abertamente sem medos e temores? Como louvar a perenidade do espírito, em vez de cultivarmos uma sociedade que financia a morte da humanidade e do planeta?
Como subtema, no âmbito do retrato-charge, vamos criar outro espaço de homenagem à vida, com o concurso de caricaturas de Leonor Oliveira Guimarães (nora de L.O.G) que foi a impulsionadora desta Bienal (para ajudar os artistas, enviaremos algumas fotos).