terça-feira, 10 de março de 2015

Rosário Breve Graça agradecida por Daniel Abrunheiro

Escrevo hoje sob um céu muito puro, desses céus totais, absolutos e ubíquos cujo azul chega a doer em seda. Raro, um fiapo de nuvem a oeste: fumo branco, dedada de neve não mortífera. Não chega aqui, deo gratias, o fragor estúpido dos carnavais, as idiotas tranquibérnias de machos travestidos sem graça nem mistério de mulheronas hirsutas (quantos não tirarão hoje do armário o esqueleto da sua pederastia reprimida?).
Há sossego, a brisa penteia & despenteia a seu bel-talante o que por aí vai de orquídeas, gardénias, chitas de senhoras. Ronrono ao sol da praça a digestão de enchidos endógenos com que me apancei a tulha. Longe, um amigo (que agora pertence ao MEO) faz anos. Outro amigo (que agora pertence à NOS) fez uma biopsia. Andamos nisto.
De cediça ossatura, um velho osteoporótico atravessa pela ponte de ferro o canal fluvial. Vai a pensar em cenas de há décadas, como aliás também a mim me acontece tanto, protagonista de pretéritos só já. Sobre ele, o sol português dardeja suas radiantes frechas termonucleares. Por aqui, o anho sacrificial grego não tem de morder o pastor alemão. Não é uma paz feita de genuflexão ante o bezerro-de-ouro. A teratologia da coisa é outra.
Todavia, a entristonhar esta fotogravura verbal surge um homem-anúncio: de farpela plástico-amarela pejada de gritantes maiúsculas pretas, roga-nos ele que saibamos como vender-lhe o nosso ouro e as nossas eventuais pratas avoengas. É rapaz já descriado, fará publicamente aquela figura para comer, não sei, por carnaval não será, suponho mas não sei. Ei-lo além já, amarelejando a passadeira à pré-rotunda da velha fábrica de farinhas. A visão troca-mo de imediato por uma fêmea de madeixas roxas que lhe ficam mal – como se alguém lhe tivesse vomitado na cabeça. É de joelhos agudos como álgicas pontadas de papagaio úrico. O olhar brilha-lhe qual moeda nova, porém: esteve com amigas velhas a beber chá de catorze graus, daquele que leva mais branco. É senhora de opiniões tipo TV-cassette, useira & vezeira de fatalismos zodíacos fundamentados, tão-só e afinal, na falta de homem. Conheço-as destes anticarnavais: explora um negócio de unhas pintadas num desvão de escada-urinol-dos-aflitos ali perto da Sé.
Entretanto, a Grécia recusa-se a ser, para já, como as barreiras do planalto santareno. Em fúria, o furão teutónico brande índex-ultimatos de má-fé ariana & pior consciência histórica. Os acólitos portugas rezam, de joelhos naturalmente, à cruz (gamada). Mas por aqui não. É que estou sorrindo à epifania, galeri’afora, do casal de carrinhos-gémeos a quem a lotaria da genética brindou com dois clonezitos de chupetas geminadas. Homem-senhora-menino-e-menina: bonito de se ver, a este sol. Que a saúde nunca se furte ou escasseie a este baralho de quatro naipes, de trunfo todos eles.
Pela avenida passa ora um carro de aparelhagem sonora stum-stum-stum-stum. Condu-lo um pardal imbecil de perfil mumífico à Ramsés II. Vontade minha de autuá-lo com Bach até 2042. Também ele passa e se dissipa, porém. A calma retorna à gravura, pacificadora e materna como flanela mental.
A minha verdade íntima, no entanto, é que quase não tenho pensado noutra coisa senão na biopsia que o meu amigo fez, ou lhe fizeram, por estes dias. Ao pé da faringe dele, nem alemanhas nem grécias contam seja o que for.
É que esse amigo é, por assim dizer, meo.
Ele e eu somos nos.

Ou assim: meo gratias

Sem comentários:

Publicar um comentário